Uruguai de carro – Parte 2

Voltamos para a segunda parte da nossa viagem ao Uruguai, caso queira ver a primeira parte, basta acessar esse link aqui!

Atlantida e Eladio Dieste

Punta Del Este é o segundo destino mais buscado no Uruguai, mas o caminho entre as duas cidade (Montevidéu e Punta) é rico em atrações também. Nossa primeira parada foi em uma pequena igreja no Balneário Atlantida, próximo a Montevidéu. A Igreja de Cristo Obrero é uma das obras primas que o engenheiro Eladio Dieste deixou no território uruguaio. Vale a pena a rápida visita, mesmo que somente para vê-la por fora. 

O mestre Eladio Dieste sintetizou em suas obras o que hoje chamamos de regionalismo crítico, mesclando materiais e técnicas tradicionais uruguaias em projetos modernos, criando uma linguagem própria, que hoje virou marca da arquitetura Uruguaia. Sua obra ganhou destaque através de seu trabalho com cerâmica armada, onde ele explorou o uso de tijolo com armadura metálica, criando abóbadas com grandes vãos e uma aparência incrível. 

Veja mais sobre a igreja aqui e mais sobre Eladio Dieste aqui 

Piriápolis

Quase no meio dos 130 km de distância entre Punta del Este e Montevidéu está a simpática cidade de Piriápolis. Piriápolis é uma cidade balneário, onde a Rambla los Argentinos, com seu calçadão e seu estilo “belle époque” te leva de volta aos anos 30. Dialogando com esse espírito, está o Hotel e Cassino Argentino, uma imponente edificação que fica em frente ao mar. Piriápolis é uma das pontas da recortada costa uruguaia, e possui o Cerro San Antonio, com uma estrada circular que te leva ao topo do mesmo, de onde é possível ter uma ampla vista em direção a Punta Ballena e Punta del Este.

Punta Ballena

Punta Ballena, além de ser mais uma península atlântica no Uruguai, o que permite lindas visuais, é o local onde está localizada a Casapueblo, na qual o artista plástico Carlos Páez Vilaró viveu e deixou o seu legado. O artista tinha um estilo único e fez da Casapueblo uma escultura para habitar, lembrando um pouco das formas orgânicas do arquiteto espanhol Gaudi. O espaço hoje é um hotel e possui um restaurante, para quem quiser viver uma experiência maior do que somente visitar o espaço e a galeria de arte do mesmo. Saiba mais sobre Vilaró e a casa Pueblo aqui.

Mas Punta Ballena não possui somente a Casa Pueblo, no seu entorno existem hotéis, spas, casas de veraneio e uma comunidade toda com arquitetura moderna e contemporânea uruguaia. Dentre os destaques está o La Solana Boutique Hotel, projetado inicialmente como um paradouro, pelo arquiteto espanhol Antonio Bonet. A pousada, de frente para o mar, foi construída próximo dos anos 50 e possui tudo que exigimos da boa arquitetura ainda hoje, materialidade condizente com o local, adaptação ao terreno, integração interior exterior, enfim, mais uma verdadeira obra de arte da arquitetura uruguaia.

Aqui o site da pousada, casa queira se hospedar

E aqui mais sobre esse arquiteto catalão que chegou a trabalhar com Le Corbusier e acabou radicado no Uruguai e na argentina, e sobre sua produção em Punta Ballena.

Ainda em Punta Ballena, existe o trabalho que congrega dois mestres: Eladio Dieste e Antonio Bonet. Isso ocorre na Casa Berlingieri, onde a arquitetura de Bonet encontrou no cálculo de Eladio a sua expressão. A casa, que é de 1947,  não aparenta a idade, e pode ter sido a primeira obra com cerâmica armada de Eladio e do Uruguai. Um ícone.

Punta del Leste;

“Punta” dispensa apresentações, é a praia mais badalada do Uruguai e tem esse nome porque de fato é a ponta que divide o oceano da Baía do Rio da Prata. Punta possui um pequeno centro histórico, com uma praça e uma igreja, mas o que de fato chama a atenção é a costa, a rambla, os edifícios altos e restaurantes finos desta região. Vale a pena caminhar pela marina, sentir o vento oceânico e conhecer as praias, de todos os lados da “Punta”.

Um ponto conhecido para foto é a escultura “os dedos”, que na verdade é um monumento aos afogados da praia Brava, que fica no litoral oceânico de Punta del Este. Mas se sonha em um boa foto, diminua suas expectativas, pois em alta temporada, com a chegada de cruzeiros inteiros, fica complicado uma foto sozinha com “la mano”. Conheça mais sobre Punta aqui! 

IMG_20200121_160826

Mais um detalhe ao sair de Punta: não deixe de passar pela ponte Leonel Vieira, sua forma com “lombas” além de curiosa causa estranheza no cruzamento, deixando o motorista mais cauteloso, pois não conseguimos enxergar o fim dela.

Rota oceânica;

Após sair de Punta, você pode escolher ir pela Rota Oceânica até o Chuí. O clima de segurança, mesmo com pouco movimento, impressiona. Praias pequenas, casas isoladas e sem grades ou cercamentos dão inveja a qualquer brasileiro. Existem alguns spots legais para visitar, como o José Ignacio, La Paloma e também a famosa Fortaleza de Santa Teresa. Vale a pena a viagem em dias longos do verão, parando e desfrutando do clima do litoral uruguaio. Veja aqui um post mais detalhado sobre essa rota. 

Comida – Garzon

Garzón é um pequeno vilarejo na província de Maldonado, próximo a Punta del Este, e o local não existia até pouco tempo atrás, quando o empresário argentino Alejandro Bulgheroni decidiu realizar o sonho de uma vinícola no local, a Bodega Garzon. O argentino trouxe, além de  muito investimento, todo o conhecimento de outras vinícolas das quais é sócio em Mendoza. Isso colocou a região no mapa e talvez hoje seja a vinícola mais famosa do Uruguai. Além disso, o vilarejo foi revitalizado e ganhou um restaurante do renomado chef argentino Francis Mallmann. Confira aqui o que o destemperados escreveu sobre o restaurante.

A arquiteta da LP arquitetos, Anne Lyse Moroni, esteve no local e nos conta sua experiência.

“A chegada em Garzon foi muito impressionante, um pequeno vilarejo que parece abandonado. O local possui uma praça central com as edificações dispostas em volta, e em um dos cantos se encontra o Restaurante Garzon By Francis Malmann. A edificação parece ser um armazém, mas surpreende pela sua arquitetura singular e aconchegante e pelo seu jardim interno. O cheiro de lenha, a decoração verde e os limões sicilianos em todos os cantos, tudo fez da experiência um momento inesquecível, tanto pelo clima quanto pela gastronomia. Valeu cada centavo.“

Espero que tenhamos inspirado vocês a fazer essa viagem também.

Escrito por

Gaúcho, Santa Mariense, Arquiteto e Urbanista que um dia foi anarquista.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s