Bibliografia – Os + Importantes Conjuntos Habitacionais do Século XX /03

Capa do Livro

Terceiro Post da bibliografia de edificação multifamilair – Livro  “Os + Importantes Conjuntos Habitacionais do Século XX – Plantas, Cortes e Elevações” de Hilary French pela BookMan® que possui breves análises  com plantas, cortes, elevações e fotos de 87 edificações.

A terceira edificação aqui analisada é o Edifício Narkomfin, de 1930, que aparece no capítulo Modernismo Europeu.

Projetista: Moisei Ginzburg (1892 – 1946) e Ignati Milinis

Local – Novinsky Boulevard, Moscou, Russia

A Edificação é de destaque global e sintetiza uma fase da cultura russa. Após a revolução de 1917 a ideia de racionalizar o uso da terra foi um dos passos para resolver problemas de habitações. As mudanças naquele cenário eram grandes, seja na base familiar ou na cultural como um todo, como a as políticas de igualdade de sexo refletindo um desejo da mulher se juntar a força de trabalho. A arquitetura que estava por vir deveria levar em conta essas nuances.

Foto do acesso da edificação

Ginsei era arquiteto engajado na OSA (Sociedade de Arquitetos Contemporâneos) e sua opinião era clara sobre a separação do coletivo e individual, procurando criar espaços de interações sociais, como salas de ginasticas, pátios, creches, e cantinas. Segundo  French “Com sua nomeação, em 1928, como diretor do departamento de padronização no comitê da construção, ele trabalhou no desenvolvimento de toda uma série de tipos de plantas padrões para uso em todos os novos conjuntos habitacionais. Estes foram os tipos transitórios…” Esse tipos tinham objetivos de serem apartamentos “enxutos” que seriam ocupados transitoriamente, até que as casas comunais ficassem prontas. Era o cado do Edifício Norkimfin.

Corte da Edificação

O edifício Norkimfin possui uma curiosa planta que a autora se refere como planta em “F”, melhor entendida nos cortes. Os apartamentos são de 1 dormitório ocupando sempre 2 pavimentos, ou melhor, 1 pavimento e meio, sendo que o apartamentofica para baixo ou para cima apartir do seu acesso. Dessa maneira pode- se economizar em circulação de uso comum e ao mesmo tempo cria uma curiosa confusão sobre quantos andares a edificação tem. Outro ponto a ser colocado é que os apartamentos não possuíam cozinhas (excetos últimos pavimentos que são duplex), sendo as cozinhas em blocos de uso comum (não demonstrado nas plantas que tive acesso).

O mais curioso são as citadas referências dessa edificação com a Unidade de Habitação de Le Corbusier, que possui um mesmo sistema de Planta em “F” , inclusive citando que Le Corbusier fez a referida edificação após viagens a Moscou.

Planta dos apartamentos

Vale também colocar o estado de conservação da edificação, não entro em críticas sobre essa péssima conservação pois precisaria analisar uma situação econômica e história sobre moscou e a Rússia. Mas existe um movimento para salvar e restaurar a edificação, ela foi listada na World Monument’s Found e o neto do Arquiteto está organizando um uso para a mesma finalidade inicial, moradia, porém com outro padrão econômico, a ideia é um boutique hotel, segundo a reportagem da BBC que tem um link em anexo.

Foto da edificação

A edificação faz refletir em como hoje as decisões são em duas dimensões e como uma planta que se resolve em três dimensões causa estranheza. Sabemos que fica mais fácil e aceitável no mercado as soluções básicas, além de que uma solução assim precisa ser bem pensada, afim de melhor aproveitar a política de índices usada para controle urbano na atualidade. Um fator dessa politica é o afastamento da divisa do lote conforme altura, eventualmente uma solução assim pode ocasionar uma altura, e consequentemente, um afastamento maior. Dessa maneiraa qualidade das unidades e os numeros de unidade(apartamentos) deveriam compensar, algo que talvez tenha que ser expresso em números para um construtor e investidor, talvez esse seja o problema, trabalhamos com projetos, ideias, objetivos de uma boa arquitetura mas regulados e com o objetivos de números (legislação, índices, área construída).

Mas resumindo, a edificação é um bom exemplo de arquitetura.

Fonte: O livro

Mais informações:

http://en.wikipedia.org/wiki/Narkomfin_building

http://www.cabovolo.com/2009/06/narkomfin-la-utopia-de-la-vida.html

http://news.bbc.co.uk/2/hi/7468606.stm Pequena reportagem na BBC

Localização Exata:

http://maps.google.com.br/maps/ms?msa=0&msid=207129048635149406291.0004aa6905d1490dcf156

Escrito por

Gaúcho, Santa Mariense, Arquiteto e Urbanista que um dia foi anarquista.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s